2018/08/14

Peça do mês de agosto


Roda de oleiro
Aparelho utilizado em contexto das práticas pedagógicas dos cursos de Artes e Cerâmica. Trata-se de uma roda de oleiro manual, constituída por uma estrutura metálica, que sustenta o disco giratório da roda, com banco acoplado e pedais. O movimento rotativo necessário para produzir os artefactos cerâmicos é acionado por meios manuais, e realizado pelos pés nos pedais.
Está inventariado com o número ME/400312/3 e pertence ao espólio museológico da Escola Secundária Júlio Dantas.
As origens deste instrumento não são claras, mas pensa-se que terá surgido na Mesopotâmia ou no Antigo Egipto, cerca de 4500 a.C., elaboradas em pedra. Por volta de 3500 a. C. a roda estaria a ser utilizada em várias regiões. A sua importância resulta do facto de ter dado origem à produção em série de peças em cerâmica.
Atualmente existem vários tipos de roda de oleiro: a roda baixa, a roda alta ou tradicional e a roda elétrica.

2018/08/08

Mostra "Vianna da Motta (1868-1948) Non sine altera"

Até 14 de setembro estará disponível ao público na Biblioteca Nacional, uma mostra evocativa do pianista e compositor Vianna da Motta, associada à comemoração dos 150 anos do seu nascimento e 70 da sua morte. A mostra inclui materiais provenientes do seu espólio, que se encontram na BNP e que inclui fotografias, manuscritos, correspondência, partituras, entre outros. Para mais informações, consulte o site

2018/08/01

Exposição: "A três vinténs. 100 anos de fascículos de aventuras em Portugal"

A tendência da publicação de aventuras e policiais em fascículos iniciou-se nos anos 40 do século XIX em França. O seu sucesso chegou igualmente a Portugal onde alguns editores lançaram no mercado séries de aventuras vendidas a 3 vinténs. Através desta exposição ficamos a conhecer um pouco da literatura popular, numa parceria entre a BNP e o Clube Português de Banda Desenhada. Poderá visitar a exposição até 14 de setembro na Biblioteca Nacional. para mais informações consulte o site

2018/07/11

Peça do mês de julho - 2018

Sílex
Rocha utilizado para estudo e observação nas aulas de Geologia. Trata-se de um exemplar de sílex, uma rocha sedimentar silicatada constituída de quartzo criptocristalino. Tem como características ser muito dura e elevada densidade, apresentando-se geralmente compacta, de cor cinzenta/negra. Pode apresentar impurezas várias como argilas, carbonato, silite, pirite e matéria orgânica.
Está inventariado com o número ME/805548/462 e pertence ao espólio museológico da Escola Secundária João de Deus.
Foi muito utilizada durante o período neolítico para confeção de armas e utensílios de corte, devido a sua grande dureza e a seu corte incisivo, devido às arestas afiadas que são produzidas quando fraturada. Foi igualmente a partir do sílex que se obteve o fogo, produzindo faíscas quando as rochas batiam uma na outra.


2018/07/04

Mostra: "200 anos de liberalismo em Portugal. O Sinédrio: conspiração maçónica"

Entre 19 de junho e 7 de setembro estará patente ao pública uma mostra sobre o Sinédrio, nas instalação na Biblioteca Nacional. O Sinédrio foi fundado no Porto, após as invasões francesas, por Manuel Fernandes Tomás , José Ferreira Borges e José da Silva Carvalho. De inspiração claramente liberal e de contornos maçónicos, o Sinédrio preparou a Revolução de 1820. Nesta mostra estão presentes os principais acontecimentos e figuras da época através da iconografia da época. para mais informações consulte o site

2018/06/27

Orçamento Participativo Portugal; projetos de Bibliotecas e Arquivos

O Orçamento Participativo é um processo através do qual os cidadãos apresentam diferentes projetos de investimento escolhendo, através do voto, aqueles que devem ser implementados. No dia 11 de junho começou o processo de votação das propostas entregues, que se estende a todos os cidadãos nacionais maiores de 18 anos. Para votar basta aceder ao portal do OPP ou através de SMS. 

2018/06/20

"O que significa ser profissional de museus, hoje?", por Luís Raposo


No artigo disponível em www.patrimonio.pt, Luís Raposo coloca várias questões relativamente ao papel do profissional de museu. A propósito do debate do Comité do ICOM, discutem-se as tendências de perfis profissionais, saberes técnicos e capacidades humanas dos técnicos. Para aceder ao artigo clique aqui.