2008/07/25

BAME

QUAR – Inventariação da Documentação Acumulada

A Secretaria-Geral definiu como um dos seus objectivos estratégicos para o ano de 2008 - o ano em que se inicia a comemoração dos 250 anos do ME -, a inventariação da documentação acumulada no depósito de Camarate.
Esta documentação reporta ao fim do século XIX, embora a maior parte da mesma corresponda ao período da Primeira República e sobretudo do Estado Novo, num total de 8 000 ml.
Em intervenções anteriores foi feita a inventariação de documentação por unidade de instalação (cerca de 4000 caixas com documentação tratada e disponibilizada no Serviço de Leitura da Secretaria-Geral).
Nesta intervenção foi adoptada a seguinte estratégia de trabalho:
a) Pela triagem da documentação, acondicionada ao longo dos anos, conjuntamente com material muito diverso;
b) Pela rearrumação dos espaços onde a documentação está depositada;
c) Pela identificação da documentação, por Fundos;
d) Pela numeração das estantes e prateleiras existentes naquele espaço;
e) Pela marcação das mesmas, com os Fundos correspondentes elencados, nas plantas daquele depósito;
f) Pela descrição, ao nível do Fundo, da documentação identificada e a criação dos respectivos registos na base de dados Arqhist.
.........
Estão identificados os seguintes Fundos Documentais:
  • Centro de Documentação Internacional
  • Comissão dos Monumentos Nacionais
  • Conselho Superior de Instrução Pública
  • Arquivo Técnico das Construções Escolares
  • Direcção-Geral da Administração Escolar
  • Direcção-Geral da Educação Física, Desporto e Saúde Escolar
  • Direcção-Geral da Instrução Pública
  • Direcção-Geral do Ensino Básico
  • Direcção-Geral do Ensino Básico e Secundário
  • Direcção-Geral do Ensino Liceal
  • Direcção-Geral do Ensino Particular e Cooperativo
  • Direcção-Geral do Ensino Primário
  • Direcção-Geral do Ensino Secundário
  • Direcção-Geral do Ensino Superior
  • Direcção-Geral do Ensino Superior e Belas Artes
  • Direcção-Geral do Ensino Técnico
  • Direcção-Geral dos Equipamentos Educativos
  • Fundos Comunitários de Apoio
  • Gabinete de Avaliação Educacional
  • Gabinete de Estudos e Planeamento
  • Gabinete de Imprensa
  • Gabinete do Ministro
  • Inspecção de Sanidade Escolar
  • Inspecção-Geral do Ensino Particular
  • Junta Nacional de Educação
  • Liceu Carolina Michaelis
  • Ministério da Instrução Pública
  • Ministério das Obras Públicas, Comércio e Indústria
  • Ministério das Obras Públicas e Comunicações
  • Obra Social do Ministério da Educação
  • Obra das Mães pela Educação Nacional
  • Secretaria de Estado da Educação
  • Secretaria de Estado da Educação Nacional
  • Secretaria de Estado da Juventude e Desportos
  • Secretaria de Estado da Reforma Educativa
  • Secretaria de Estado do Ensino Básico e Secundário
  • Secretaria de Estado do Ensino Superior
  • Secretaria-Geral

É possível a sua consulta através da base de dados do Património Arquivístico da Educação e o contacto através dos nossos serviços de leitura e do e-mail bame@sg.min.edu.pt.

2008/07/23

BAME nas Escolas

Inventário Museológico da Escola Secundária Eça de Queirós

A Escola Secundária Eça de Queirós, em Lisboa, começou a leccionar no ano lectivo de 1974/75, em instalações provisórias, com a designação de Escola Secundária dos Olivais. Passou posteriormente para as instalações onde funciona actualmente. No entanto, apenas em 1980 adquiriu o nome do escritor.
.............
Fazendo este estabelecimento de ensino parte do programa de inventariação das escolas, procedeu-se à análise dos objectos científicos e pedagógicos no sentido de identificar o seu património museológico.
...................
Todos os objectos foram avaliados e aqueles com reconhecido valor patrimonial foram inventariados, marcados, fotografados, medidos, e descritos quanto à sua denominação, aplicação e funcionalidade.
Após o processo de intervenção ficou identificado o património museológico da Escola Secundária Eça de Queirós, registado em 201 fotografias e constituído por 54 objectos das áreas de Matemática, História, Biologia, Física, Química, Geografia e Educação Visual e Tecnológica.
Os objectos inventariados foram inseridos na base de dados Matriz, 31 dos quais podem ser consultados no MatrizWeb.

BAME nas Escolas

Inventário dos Patrimónios Arquivísticos e Museológicos

A Secretaria-Geral vai realizar duas acções de informação/ sensibilização, no próximo dia 28 de Julho, para as escolas secundárias da Região de Lisboa que vão ser intervencionadas pela Parque Escolar, EPE, da forma como devem actuar relativamente ao património arquivístico e dos trabalhos desenvolvidos e a desenvolver no âmbito do projecto de inventariação do património museológico – Bame nas Escolas.

As acções decorrerão, em simultâneo e para públicos diferentes, nas instalações da Secretaria-Geral na Av. 5 de Outubro, 107, em Lisboa, com o seguinte horário:

Património Arquivístico – das 10:00h às 17:00h (intervalo para almoço)
Património Museológico – das 10:00h às 13:00h

BAME nas Escolas

Inventário do Património Museológico da Educação

Encontra-se disponível no MatrizWeb o inventário museológico das escolas secundárias D. Dinis e D. João de Castro, inventariadas no âmbito do processo de modernização da Parque Escolar, EPE.
A plataforma MatrizWeb tem disponíveis ao público 4 015 peças, das quais 1 060 integram o acervo museológico da escola D. Dinis e 685 pertencem à escola D. João de Castro.

2008/07/21

BAME nas Escolas

Inventário museológico

No âmbito do programa de modernização da Parque Escolar, EPE, técnicos da Secretaria-Geral deslocar-se-ão, às seguintes escolas secundárias da DRELVT, nos dias 21, 23 e 24 de Julho, para fazerem o reconhecimento dos objectos com valor museológico sujeitos a inventariação.
...........
Dia 21 - Escolas Secundárias Marquesa de Alorna e Filipa de Lencastre;
Dia 23 - Escola Secundária Rainha D. Amélia;
Dia 24 - Escola Secundária Josefa d'Óbidos.

2008/07/17

BAME nas Escolas

Inventário Museológico da Escola Secundária Fonseca Benevides

A Escola Secundária Fonseca Benevides, fundada em 1914, esteve vocacionada, desde a sua origem, para o ensino técnico e tecnológico, e no ano de 1963 integrou os cursos das áreas da Mecanotecnia e Electrotecnia época em que a então Escola Industrial Fonseca Benevides granjeou grande prestígio e popularidade entre os alunos e as empresas, devido ao elevado nível dos equipamentos colocados ao serviço da aprendizagem.

Foram estes objectos que, pelo papel que desempenharam no ensino, se tornaram peças com valor museológico e foram inventariados no contexto do projecto de Inventário e Digitalização do Património Museológico da Educação. Tratam-se, em boa parte, de equipamentos comprados ou doados pelas próprias empresas produtoras, exemplo da Marconi, para equipar os laboratórios, mas também de trabalhos de alunos realizados no âmbito dos exames de final de curso, constituindo-se como parte visível dessas práticas de ensino-aprendizagem e da própria evolução das disciplinas de Mecanotecnia e Electrotecnia.


Para além destes equipamentos, foram inventariados e fotografados objectos utilizados nos laboratórios de Física, Química, Biologia e História, num total de 347 objectos e 778 imagens. Após a primeira fase de intervenção, que passou pela selecção, identificação e numeração das peças, irá proceder-se à pesquisa de conteúdos nos respectivos catálogos e na internet de modo a obter informações sobre a função de cada objecto. Posteriormente os dados serão introduzidos no Programa Matriz e disponibilizados ao público através do MatrizWeb.

mmmmmmmmmm
Legenda
Osciloscópio, Déc.1960 (Tektonix)
Condensador de Mica. Equipamento de padrão, 1964 (H.W. Sullivan Ltd.)
Potenciómetro de precisão, Déc.1960 (Pye, Scientific Instruments)
Rádio, Déc.1960 (Trabalho de aluno para a prova final de exame)
............................
História da Escola

Criada em 1914 na freguesia de Santos-o-Velho, a Escola Professor Benevides teve como primeira morada o Palácio dos Condes de Murça e ministrava o ensino oficial de modelação, trabalhos cerâmicos e trabalhos de vidro, tendo alargado a oferta educativa, em 1930, com o Curso de Serralharia. Nesse mesmo ano, integrou os alunos e professores da Escola de Arte Aplicada de Lisboa e da Escola de Cerâmica de António Augusto Gonçalves. Ambas integraram a Secção de Artes Aplicadas da Escola Fonseca Benevides, a funcionar na Rua Almirante Barroso. Dado o aumento da frequência desta Secção, em 1934 foi criada a Escola Industrial António Arroio, que aí funcionou até 1970, ano em que se mudou para as actuais instalações.

Seria, no entanto, no ano lectivo de 1956/1957 que a designação muda para Escola Industrial Fonseca Benevides, quando integrou o curso Auxiliar de Laboratório de Química, transferido da Escola Industrial Marquês de Pombal. No final dos anos de 1950 a escola Fonseca Benevides passou a leccionar o Curso de Montador de Radiotécnico e uma década depois oferecia as especializações de Radar, Televisão e Computadores, respondendo à procura crescente de técnicos nestas áreas emergentes.

Com a crescente procura dos cursos das áreas da Mecanotecnia e Electrotecnia, a escola foi ocupar, em 1963, o actual edifício na Rua dos Lusíadas, construído em 1886 com verbas emprestadas pelo Príncipe D. Carlos para a instalação da Escola Marquês de Pombal, transferida em 1962 para o estabelecimento que actualmente ocupa.

No próximo ano lectivo de 2008/2009 a Escola Secundária Fonseca Benevides vai deixar estas instalações e mudar para o Pólo de Educação e Formação (antiga Escola D. João de Castro), adaptadas às novas necessidades das práticas pedagógicas.

2008/07/15

Exposição itinerante "Um olhar sobre o Património Museológico da Educação"

A exposição itinerante “Um olhar sobre o Património Museológico da Educação” percorreu, de 31 de Março a 4 de Julho de 2008, as escolas secundárias que integram o projecto Inventário e Digitalização do Património Museológico da Educação, nas várias regiões do país.

Terminada esta primeira fase, devido ao período de férias, as escolas foram questionadas sobre o que acharam desta iniciativa e qual o seu impacte na comunidade educativa.
Das respostas recebidas, foi considerada globalmente como uma iniciativa muito positiva, que ajudou a dar maior visibilidade ao projecto junto da comunidade educativa e, nalguns casos, local, assim como ao trabalho desenvolvido nas escolas pelas equipas de professores que integram o projecto.
Realçaram o valor do projecto na salvaguarda do património educativo e cultural da história da educação e todas se mostraram receptivas em acolher outras iniciativas que possam contribuir para alcançar os objectivos que regem este projecto.

Para além das iniciativas levadas a cabo pela SG, as próprias escolas contribuem igualmente para a divulgação deste projecto das mais variadas formas.

Assim, publicitamos o exemplo da Escola Secundária Jácome Ratton (Tomar) que aproveitou a exposição itinerante para partilhar o projecto e o trabalho desenvolvido pela equipa de professores da escola com um universo mais alargado, para além da comunidade educativa.
Escolheu a Biblioteca Municipal de Tomar para acolher esta iniciativa da Secretaria-Geral do ME e informou todas as escolas, o Instituto Politécnico de Tomar e a imprensa local que noticiou a iniciativa no jornal “Cidade de Tomar", no dia 20 de Junho de 2008, conforme ilustra a foto abaixo.

Esta exposição voltará no início do próximo ano lectivo a outras escolas e às Direcções Regionais de Educação, e cujo calendário noticiaremos proximamente.


BAME nas Escolas


Inventário Museológico da antiga Escola Secundária Machado de Castro

A antiga escola Machado de Castro, ao longo de ¾ de século de ensino*, reuniu muitos materiais didácticos e trabalhos executados por professores e alunos. Alguns destes objectos são peças com valor museológico e nesse sentido foi pertinente inventariar os objectos usados nas matérias de Física, Química, Ciências Naturais, Matemática, Geografia, Historia, Línguas e Cartografia, assim como os trabalhos executados pelos alunos e professores nas oficinas de Carpintaria, Pintura, Escultura e Lavores, e deste modo integrá-los no projecto Inventário e Digitalização do Património Museológico da Educação. Após selecção, as peças foram identificadas, fotografadas, medidas e numeradas. A identificação e descrição das funcionalidades dos objectos de forma mais completa, obrigou à consulta de catálogos de materiais didácticos e pesquisa na Internet. Toda a informação reunida será inserida na aplicação de inventariação museológica (Programa Matriz), ficando na sua maioria acessível ao público através do MatrizWeb. Neste trabalho, foi inventariado um total de 340 objectos dos quais resultaram 940 imagens.

* História da instituição:


Na sequência de decisão governamental de dotar o ensino liceal com instalações próprias, o Estado adquiriu, em 1907, a José Ferreira da Cunha, a propriedade que este possuía em Santa Isabel, composta por uma quinta e um palácio, anterior ao séc. XIX. A compra destinava-se a construir um “campus” escolar – um liceu (actual liceu Pedro Nunes), duas escolas primárias e uma escola industrial, que já funcionava ali perto em edifício alugado. Em 1911 é inaugurado o Liceu Pedro Nunes, e em 1915 ter-se-á abandonado o plano de construção inicialmente previsto, situação que se reflecte nas instalações destinadas à referida escola industrial.


Na segunda década do século XX, opta-se pela construção de raiz de um novo edifício numa parcela de terreno cedida pelo liceu e sob projecto de Vítor Bastos Júnior. Este novo edifício foi ligado ao palácio original. Por volta de 1920, da conjugação de um edifício pré existente com a construção de um novo, projectado para uma escola industrial, nasce a Escola Industrial Machado de Castro. Após algumas décadas a ministrar o ensino industrial passou, no ano lectivo de 1974/1975, a Escola Secundária Machado de Castro e a funcionar também com os cursos gerais. Manteve-se em funcionamento até ao ano lectivo de 2004/2005, altura em que foi encerrada.

2008/07/10

Património Educativo Português no CEINCE

O Património Educativo Português no CEINCE – Centro Internacional de la Cultura Escolar (Berlanga de Duero, Soria – Espanha)

Algumas das iniciativas mais recentes sobre o património educativo em Portugal foram apresentadas no CEINCE – Centro Internacional de la Cultura Escolar, no Encontro que se realizou no passado dia 2 de Julho e que reuniu investigadores e especialistas que se dedicam aos temas da cultura material, dos manuais escolares e do património educativo nas suas diversas dimensões. Este Encontro contou com a participação do director do CEINCE, Agustín Escolano Benito, Professor da Universidad de Valladolid, de Gabriela Ossenbach Sauter, directora do Proyecto MANES (sobre Manuais Escolares), da Universidad Nacional de Educación a Distancia (UNED) – Madrid e de outros professores e investigadores destas Universidades, assim como das de Sevilha, Lisboa, Coimbra, S. Paulo – Brasil e Curitiba, Paraná – Brasil.

O Projecto “Inventário e Digitalização do Património Museológico da Educação” e a Exposição “Ensino e práticas de leitura - os Manuais Escolares nos fundos documentais do Ministério da Educação”, da Secretaria-Geral do Ministério da Educação, foram apresentadas por Maria João Mogarro, convidada para este Encontro pelo director do CEINCE. Os outros participantes apresentaram também os diversos projectos em que se encontram envolvidos, tendo-se realizado um debate aprofundado sobre as aproximações que existem entre as várias actividades e as possibilidades de realizações conjuntas no futuro próximo.
O director do Centro dirigiu uma visita guiada à Exposição permanente “Mi Querida Escuela”, que se estrutura em quatro salas temáticas: 1) memória e património da educação; 2) a escola como invenção; 3) manualística; e 4) escola.net, que articula memória, história e escola na actual sociedade do conhecimento. Esta Exposição apresenta um formato moderno e muito atractivo, combinando quadros de parede, meios interactivos, projecções e expositores com objectos, manuais e outros documentos.

O CEINCE – Centro Internacional de la Cultura Escolar está localizado num palácio restaurado, situado em Berlanga de Duero, Soria, Espanha, e possui uma importante colecção de manuais escolares, especialmente de Espanha. Com uma ainda curta existência, constitui uma instituição de referência, a nível internacional, para todos os que se dedicam à história da educação, ao património educativo e à cultura escolar. Ao longo dos últimos dois anos tem desenvolvido um numeroso e diversificado conjunto de actividades e define-se como um centro integral de documentação, investigação e interpretação de todos os aspectos relativos à cultura da escola, numa perspectiva multidisciplinar e internacional. Deste modo, tem por objecto específico o estudo integral da cultura escolar, na sua extensão e complexidade, seguindo uma orientação pluridisciplinar e concebendo esta cultura como um conjunto de práticas, formações discursivas e construções normativas que enquadram e regulam a vida das instituições educativas e configuram a profissionalidade dos docentes e o comportamento de todos os actores que intervêm na educação
[1].

[1] Para mais informações, consultar o sítio web do CEINCE.
CEINCE
Centro Internacional de la Cultura Escolar
C/ Real 35, Berlanga de Duero
42360, Soria. España
tel/fax: 975343123
web: http://www.ceince.eu
e-mail: ceince@ceince.eu

Exposição "Um olhar sobre o Património Museológico da Educação"

Exposição “Um olhar sobre o Património Museológico da Educação” no 1.º Seminário de História do Ensino da Matemática e das Ciências (Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa)

A Exposição “Um olhar sobre o Património Museológico da Educação”, da Secretaria-Geral do Ministério da Educação, esteve patente na Faculdade de Ciências da Universidade de Lisboa durante a realização do 1.º Seminário de História do Ensino da Matemática e das Ciências, que reuniu, nos dias 27 e 28 de Junho, 120 investigadores e professores interessados nesta temática. Apresentada no primeiro dia, a Exposição permaneceu nas instalações desta Faculdade até ao dia 4 de Julho, divulgando-se assim o Projecto “Inventário e Digitalização do Património Museológico da Educação”, em que se integra a Exposição, e divulgando-se também as actividades e produtos que têm sido desenvolvidos no âmbito do mesmo projecto.
Durante estes dias foi realçado o valor do património educativo das escolas secundárias portuguesas, em particular os objectos que estão estreitamente articulados com o ensino das ciências, nomeadamente os instrumentos científicos, os quadros parietais, os modelos relativos a vários conteúdos programáticos e os meios audiovisuais. Várias das comunicações individuais e das palestras em painéis temáticos evidenciaram a importância destes materiais para a história das disciplinas da área das Ciências e para o estudo dos modelos pedagógicos e das práticas. Deste modo, estabeleceu-se uma relação feliz entre a presença da Exposição e as temáticas centrais do Seminário, chamando-se a atenção para a dimensão material da actividade científica e o seu papel fundamental para o ensino das ciências.
Este evento contou com a participação de vários especialistas portugueses e estrangeiros, destacando-se a conferência proferida por Bruno Belhoste (Université Paris I Panthéon-Sorbonne), investigador e professor de História das Ciências, que participou num projecto de inventário e salvaguarda de instrumentos científicos antigos, conservados nas escolas secundárias francesas (anos 90), e a entrevista com Carlos Fiolhais. Ao longo do Seminário, foram apresentadas duas dezenas de comunicações individuais e decorreram três Painéis Coordenados, com especialistas portugueses e brasileiros: um sobre a História das disciplinas escolares, outro sobre a História do Ensino da Matemática e o terceiro dedicado à História do Ensino das Ciências.

2008/07/08

BAME nas Escolas

A Secretaria-Geral irá realizar duas sessões de formação/ sensibilização nos próximos dias 14 e 15 de Julho para esclarecer a forma de actuação relativa aos arquivos das escolas da Zona Norte que irão ser intervencionadas pela Parque Escolar, EPE, em 2008/2009.

Dia 14 será com as escolas do Lote 3:

  • Escola Aurélia de Sousa, Porto
  • Escola João Gonçalves Zarco, Matosinhos
  • Escola António Sérgio, Gaia
  • Escola Sá de Miranda, Braga
  • Escola Rocha Peixoto, Póvoa de Varzim
  • Escola Carolina Michaelis, Porto

Dia 15 será com as escolas do Lote 4:

  • Escola Avelar Brotero, Coimbra
  • Escola do Cerco, Porto
  • Escola Manuel Gomes Almeida, Espinho
  • Escola José Régio, Vila do Conde
  • Escola de Penafiel
  • Escola Garcia da Orta, Porto

Nota: No dia 14 a formação será na Escola Carolina Michaelis e no dia 15 na Escola Garcia da Orta.

BAME nas Escolas

Biblioteca da antiga Escola Secundária D. João de Castro

Encontra-se já disponível no SIBME (Sistema Integrado de Bibliotecas do Ministério da Educação) uma parte da biblioteca da antiga Escola Secundária D. João de Castro, em Lisboa.
Trata-se da primeira biblioteca escolar a ser alvo de tratamento e disponibilização na Internet, ao abrigo do projecto BAME nas Escolas.
Esta biblioteca tem cerca de 12 000 volumes de monografias e 100 títulos de publicações periódicas, prevendo-se a sua total disponibilização em Setembro, data a partir da qual os documentos poderão ser consultados.

2008/07/02

Quatro Décadas de Educação em livro

Terá lugar hoje, pelas 17:00 horas, no átrio do Ministério da Educação (Lisboa, Av. 5 de Outubro, 107), em sessão comemorativa dos 250 anos do ME, presidida por S. Exa. a Senhora Ministra da Educação, o lançamento da obra “QUATRO DÉCADAS DE EDUCAÇÃO (1962-2005)”.

A obra agora lançada pretende ser uma retrospectiva das políticas de educação e ensino em Portugal protagonizadas pelos Ministros que assumiram a pasta da Educação durante o período temporal a que a mesma se reporta. Procura-se, com ela, disponibilizar informação relativa à evolução do nosso sistema educativo, no seu todo ou em aspectos parcelares, permitindo, não só encontrar um sentido para aspectos marcantes que o caracterizaram no passado recente e caracterizam no presente, mas também deixando antever alternativas de política educativa para o futuro.